Análise da evolução do emprego formal nos municípios que compõe a indicação geográfica de São Matheus, Paraná, Brasil

Autores

DOI:

10.52832/BRJPD.2022.4.1

Palavras-chave:

Propriedade coletiva, Indicações Geográficas, IG-Mathe, Trabalho formal

Resumo

As indicações geográficas podem ser definidas como um signo utilizado para identificar produtos que tem uma origem geográfica concreta e possuem qualidades, ou uma reputação, derivada especificamente de seu lugar de origem. No caso da erva-mate, considerando que a IG gera melhoria da qualidade de vida dos produtores, implicando em incremento da renda dos produtores e de empregos diretos e indiretos, observa-se se houve tendência a criação de maior número de postos de trabalho nos municípios componentes da área delimitada da IG-Mathe, tensionando com os demais municípios selecionados para parâmetro. Para análise, utiliza-se a análise longitudinal como metodologia empregada. O objetivo é compreender se haveria uma atração de mão-de-obra diante da cadeia produtiva da erva-mate, detentora de indicação de procedência. Assim, são comparados os níveis de empregados dos municípios abrangidos pela IG-Mathe e agrupados conforme padrões de evolução do emprego formal no período de 2014 a 2019, responder o questionamento, se houve aumento ou diminuição nas atividades que guardam correlação com a produção da erva-mate.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Cristina Covalchuk, Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Mirna de Lima Medeiros , Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Doutora em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Administração de Organizações da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (FEA-RP/ USP). Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e do Curso de Turismo da UEPG.

Referências

ANDREAZZA, Maria Luiza; NADALIN, Sérgio O. O cenário da colonização no Brasil Meridional e a família imigrante. Revista Brasileira de Estudos de População, 1994.
ANJOS, Lucas Costa dos. Indicações Geográficas: tradição e desenvolvimento. 1 ed. Belo Horizonte: Editora Initia Via, 2020.
Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Pnud Brasil, Ipea e FJP, 2020. Disponível em <http://www.atlasbrasil.org.br/ranking>. Acesso em: 14 set. 2021.
BALHANA, Altiva Pilatti. Política imigratória do Paraná. Regista Paranaense de Desenvolvimento, 1969.
BRASIL, ENAGRO - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Curso Básico de Indicações Geográficas. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2021.
BRUCH, Kelly L. Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas. In: PIMENTEL, Luiz Otávio et al. Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania. 1 ed. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008.
FABRIS, Jonas; MACHADO, Glaucio J. C.; ARAGÃO GOMES, Iracema M. de. Evolução da Proteção dos Produtos Tradicionais. Revista de Gestão, Inovação e Tecnologias. 2012. Disponível em <https://www.revistageintec.net/index.php/revista/article/view/72>. Acesso: 11 out. 2021.
INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Manual de Indicações Geográficas. Revista da Propriedade Industrial, Disponível em https://manualdeig.inpi.gov.br/projects/manual-de-indicacoes-geograficas/wiki>. Acesso em: 25 out. 2021
IPARDES, Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Perfil dos municípios. Disponível em: <http://www.ipardes.pr.gov.br/Pagina/Perfil-dos-municipios-0>. Acesso em: 11 out. 2021.
LINHARES, Maria Yeda (org.) História Geral do Brasil (da colonização portuguesa à modernização autoritária). Rio de Janeiro: Campus, 1990.
Regulamento de Uso: Indicação de Procedência de São Matheus. Associação dos Amigos da Erva-mate de São Matheus. Disponível em: <https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/indicacoes-geograficas/arquivos/cadernos-de-especificacoes-tecnicas/SoMatheus.pdf>. Acesso em: 14. set. 2021.
MACEDO, Francisco Ribeiro de Azevedo. Conquista pacífica de Guarapuava. Coleção Farol do Sabert. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1995.
MARQUES, A. C. As paisagens do mate e a conservação socioambiental: um estudo junto aos agricultores familiares do Planalto Norte Catarinense. 2014. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) - Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2014.
MINGOTI, S. A. Análise de Dados Através de Métodos de Estatística Multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.
NADALIN, Sérgio O. A demografia numa perspectiva histórica. Belo Horizonte. ABEP, 1994.
NOVAIS, Fernando A. Estrutura e dinâmica do antigo sistema colonial: século XVI-XVIII. São Paulo: CEBRAP, 1974.
PELLIN, V. Indicação geográfica, políticas públicas e desenvolvimento territorial sustentável: uma análise a partir do processo de reconhecimento da IG para chope e cerveja artesanal da região de Blumenau (SC), em sua arena pré-decisional. 2016. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional) - Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau, SC, 2016.
PEREIRA, Magnus Roberto de Mello. Da civilidade urbana: a morigeração dos costumes no Paraná do século XIX. Curitiba, Editora da UFPR, 1996
OLIVEIRA, Denilson de. Urbanização e Industriarão no Paraná. Coleção História do Paraná. SEED, Governo do Paraná, 2001.
SANTOS, Carlos R. A. dos. Vida Material Vida Econômica. Coleção História do Paraná. SEED, Governo do Paraná, 2001.
TRINDADE, Etelvina M. de C.; ANDREAZZA, Maria Luzia. Cultura e Educação no Paraná. Coleção História do Paraná. SEED, Governo do Paraná, 2001.
WILKINSON, John. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2008.

Publicado

2024-02-25

Como Citar

COVALCHUK, G. C.; MEDEIROS , M. de L. Análise da evolução do emprego formal nos municípios que compõe a indicação geográfica de São Matheus, Paraná, Brasil. Brazilian Journal of Policy and Development, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 01–19, 2024. DOI: 10.52832/BRJPD.2022.4.1. Disponível em: https://bio10publicacao.com.br/brjpd/article/view/391. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos